quinta-feira, 31 de março de 2011

[À Descoberta de Miranda do Douro] O 2 de Miranda do Douro

Diz a tradição, que, quem em Miranda do Douro, conseguir identificar o número 2 no rochedo fronteiriço, nas arribas do Douro, já em território espanhol, não terá dificuldade em arranjar par, casará em breve e na região. É frequente encontrar grupos de pessoas que buscam insistentemente o 2 nos rochedos em questão. Ou porque sentem vontade que a tradição oral se concretize, ou simplesmente por desafio e pura brincadeira.
O número dois está muito bem marcado nos ditos rochedos, resultante de líquenes amarelos que traçam o seu contorno com bastante perfeição.
Não sei se tem a ver com estra tradição, penso que sim, houve, em tempos, em Miranda do Douro um pub com o nome de U2. Neste momento há um bar bastante conhecido com o nome de Rochedo.
Aqui, com uma moldura de flores de amendoeira, estão o rochedo onde está o 2.
Consegue identificá-lo?

--
Publicada por Xo_oX em À Descoberta de Miranda do Douro a 3/31/2011 03:51:00 PM

quarta-feira, 30 de março de 2011

[A Linha é Tua] BARRAGEM DO TUA: os subterrâneos da política

(Sócrates veio ao Tua inaugurar a 1ª pedra tumular de Trás-os-Montes.
E veio com segurança, sem oposição dos autarcas mais directamente envolvidos. Porque antes o terreno foi devidamente preparado com eficácia pela máquina regional do PS.
Já agora convém lembrar que a empreitada da barragem foi adjudicada pela EDP de António Mexia, ao consórcio Mota-Engil/Somague/FMS, cuja empresa-mestra é presidida pelo socialista Jorge Coelho, que também está a fazer o túnel do Marão e a A4.
Vamos lá tentar "escavar" estes subterrâneos políticos)

foto
Antes de mais, e para que se perceba a dimensão do problema, convém referir estes factos: a Barragem do Tua ficará situada a cerca de 1 Km da sua foz, terá um paredão com 108 metros de altura, um comprimento no coroamento (parte superior) de 275 metros, e a albufeira estender-se-á ao longo de 37 Km. Trata-se, efectivamente, de um monstro de betão, e de uma albufeira que eliminará o vale do Tua definitivamente.
Alterações do micro-clima, da fauna, flora, das condições de habitabilidade, e outras, serão sentidas perpetuamente, para além de algo que dinheiro nenhum do mundo paga: as consequências psicológicas de se fazer desaparecer do mapa toda uma região. Hectares de belezas naturais e patrimoniais que nunca mais ninguém verá. A Barragem do Tua vai destruir uma parte de Trás-os-Montes e, submergindo 16 Km de linha férrea, acabar com a linha de vez. Tudo isto em nome de um plano hidroeléctrico que por cá é responsável por barragens que representam 40% da produção eléctrica nacional, sem que, por isso, o bem-estar dos transmontanos e durienses tenha melhorado um vintém.
Posto isto, vamos então tentar perceber o que se passou.
A princípio, a oposição política à Barragem era grande. Uma das suas principais vozes era José Silvano (PSD), Presidente da Câmara de Mirandela, para quem a linha ferroviária do Tua era a única ligação do seu concelho à rede nacional. Das restantes Câmaras afectadas (Alijó, Carrazeda, Murça e Vila Flor) a contestação, se alguma vez se ouviu, era mais branda. E porquê?
Murça e Vila Flor são Câmaras lideradas em maioria pelo PS. Pequenas Câmaras mais interessadas (e habituadas) a esperar para ver se da mesa de Lisboa caem algumas migalhas, do que a intervir tomando posições em que se possam comprometer. E depois, e acima de tudo, são do PS, e este Plano Hidroeléctrico era da execução do PS.
Relativamente a Carrazeda de Ansiães, o seu Presidente, José Correia, foi eleito numa coligação PSD/CDS, mas ganhou por uma "unha negra" (só com 67 votos a mais) a uma outra coligação de independentes. Em último foi eleito Augusto Faustino, pelo PS. José Correia teve que governar em minoria, com um executivo de 5 elementos, formado por si e pelo seu colega de coligação, os dois eleitos da coligação opositora de independentes, mais o eleito do PS. Ora está mesmo a ver-se, nestas circunstâncias (2+2+1), em quem está o poder de fazer a maioria numa votação camarária. José Correia tornou-se assim, politicamente, "refém" de Augusto Faustino e, consequentemente, do PS.
foto
Entretanto, em Alijó, está Artur Cascarejo (PS) que governa em maioria, e que acumula também com o lugar de Presidente da Comunidade Intermunicipal do Douro, e é o político duriense que é visto mais vezes nos órgãos de comunicação social e que não perde evento onde possa ficar ao lado de uma câmara de TV (exemplos que confirmam as suas ambições políticas – e contra isso nada). Artur Cascarejo começa, a partir de uma certa altura, a ter uma atitude mais activa no processo. A ele se junta Ricardo Magalhães, Presidente da Estrutura de Missão do Douro, e serão estes que se encarregarão de limar as últimas arestas que se opõem à viabilidade da Barragem. Entretanto, o Dr. José Silvano mantém-se irredutível.
É então a vez de Artur Cascarejo assumir publicamente e com veemência, que Alijó quer a Barragem (como se tivesse feito algum referendo) e, numa célebre entrevista à Rádio Bragantia, com ar sério mas denotando uma fragilidade como nunca lhe vimos, argumenta a favor da Barragem com base no espelho de água imenso que poderá ser um potencial turístico, nos 4 pólos museológicos que vão nascer, fruto da colaboração do Museu do Douro com o Museu de Favaios, e na Agência que vai gerir o futuro Vale do Tua.
E fiquei pasmado. Porque até já tinha elogiado o Dr. Artur Cascarejo por opções que tomou pelo modelo de regionalização e outras opções para a região, e senti naquela altura que havia ali algo mal explicado. Senão, vejamos: seria isto a base da sua argumentação para defender a Barragem? Um espelho de água? Quantos há no Douro? E que nos trouxeram? E 4 museus? 4? Ainda por cima com o aval do Museu do Douro? Que nem o seu sabe governar? Alguém vem ao Tua ver 4 Museus? E Museus de quê?
Mas depois, percebi. A tal Agência, de que se vinha falando, é que era o busílis da questão! Disse ele que a tal Agência era para gerir o Vale do Tua. Lapso seu, porque o Vale seria submerso e deixaria de existir. Mais tarde emendaria: futuro vale ecológico, ou zona natural, ou coisa que o valha. Algo a construir, portanto. Mas, como disse, a questão prendia-se com a tal Agência.
É então que a figura da tal Agência começa a ganhar forma, estrutura, e o aval de Lisboa. Começa assim a gestação efectiva da Agência Regional de Desenvolvimento do Tua. Não é que esta ideia das Agências Regionais fossem algo de novo, mas era agora algo de concretizável. De tal modo que o Governo garante logo à partida verbas para a sua instalação. Era uma migalha para o montante envolvido no negócio da Barragem. E o objectivo dessa Agência é gerir os 3% que a EDP anualmente pagaria como comparticipação na produção de energia produzida pela Barragem. A EDP daria um chouriço e receberia um porco!
Restava, como opositor, o Dr. José Silvano de Mirandela. Mas não durou muito a oposição do Dr. Silvano, já que dá o dito por não dito e altera o seu discurso em Janeiro deste ano, aproveitando, como desculpa, o empurrão do despacho da Ministra do Ambiente que aprova o projecto da Barragem.
E diz o Dr. Silvano que desiste de lutar contra a construção da Barragem, desde que seja garantida a mobilidade entre a Barragem e Mirandela, e desde que a gestão dos 3% da comparticipação da Barragem fossem geridos pela tal Agência.
foto
Ninguém entendeu esta cambalhota do Dr. Silvano, tanto mais que já se sabia que a mobilidade nunca seria garantida. Ou seja: com a submersão dos 16 Km da linha do Tua, a ligação ferroviária a Mirandela acabaria.
A EDP, no entanto, garantia essa mobilidade, e até se comprometia a pagá-la. E de que maneira? Chegados os utentes de comboio à Estação do Tua, há que sair, seguir de barco até à barragem, depois subir em funicular, da base do paredão até lá acima à albufeira, aí embarcar num ferry até Brunheda, retomando depois a viagem de comboio numa linha ferroviária totalmente remodelada tipo Metro de superfície, até Mirandela.
E será que alguém com a cabeça em cima dos ombros acredita que isto tem alguma viabilidade? Isto não dá vontade de rir? Então de Inverno, com ela a cair rasgadinho, o vento a soprar como doido, andar a subir em funicular e fazer-se às águas de barco, deve ser algo tão apetecível como fazer uma viagem no Titanic!
Mas mesmo que isso se concretizasse, a REFER já tinha dito que a submersão de 16 Km de via era o fim da linha do Tua! Por outro lado, de Brunheda a Mirandela, são 33 Km de comboio. A remodelação deste troço de via custa 30 milhões de Euros, dos quais a EDP só garante 10 M. Os restantes 20 M têm que ser pedidos à UE com a intervenção da CCRN. Ou seja, só um terço do dinheiro está garantido, e mesmo assim a REFER não quer reactivar a linha porque naquelas condições (viagem de funicular e depois de barco), a restante linha será ainda mais deficitária do que já é.
Conclusão: Mirandela vai ficar, seguramente, sem linha ferroviária.
Perante a precariedade evidente da garantia de mobilidade a Mirandela, o que levou o Dr. José Silvano a mudar tão depressa de opinião?
Contudo, e apesar da lógica de todos estes óbices, o certo é que, por estes dias, logo antes da visita de Sócrates e da célebre inauguração da 1ª pedra da Barragem, os cinco autarcas reuniram-se sob o patrocínio da Estrutura de Missão, e assinaram o protocolo de formação da tal Agência bem como os seus Estatutos. Estatutos esses que só esses autarcas e Eng. Ricardo Magalhães conhecem.
Estatutos de uma Agência Regional de Desenvolvimento que não vai desenvolver nada, mas que vai gastar os tais 3% em ordenados de Administradores, Assessores, Consultores, e pessoal apadrinhado, desenvolvendo depois projectos que, esses sim, aguardarão aval do Orçamento de Estado. Ou seja: lucros da EDP para pagar mordomias a políticos, e projectos para serem pagos com os nossos impostos. Esta Agência tem assim cara de ser uma espécie de Conselho de Administração da EDP, mas em ponto pequenino. Em ponto de 3%. Esta Agência será mais um albergue dourado da classe política. Senão, é esperar para ver quem se vai sentar nos tais lugares. Senão, é ver quando os senhores Presidentes de Câmara da região terminarem os mandatos e não puderem, por força da lei, continuar a exercer as presidências autárquicas, que cargos irão ocupar. É tudo uma questão de tempo.
foto
Mas há ainda outra questão estranha. O facto é que, quando damos voltas a estas coisas do princípio ao fim, acabamos por tropeçar sucessivamente em gente do PS. É que a empresa-mestra do consórcio que vai construir a Barragem (o consórcio a quem a EDP adjudicou a obra, é a Mota-Engil/Somague/MFS), tem como Presidente o socialista Dr. Jorge Coelho. Empresa que também está a fazer a A4.
Por outro lado, logo que começou a falar-se na eventual queda do Governo, a Ministra do Ambiente e restantes, trataram logo de assinar as papeladas de aprovação do projecto e, por sua vez, a EDP já tinha a obra adjudicada ao tal consórcio. Isto é que é rapidez! Melhor dizendo: eficiência! E Sócrates veio logo a correr fazer a inauguração da obra, não fosse o diabo tecê-las! Porquê tanta pressa?
Se isto fosse um puzzle, eu diria que as peças se encaixam na perfeição. A escritora Margarida Rebelo Pinto diz num dos seus livros que "Não Há Coincidências".
Mas eu, que até não sou particularmente adepto daquela escritora, e que detesto fazer puzzles, até acho que isto é tudo uma coincidência, que não há subterrâneos na política, que a Barragem do Tua vai ser uma maravilha, que Trás-os-Montes com ela vão ter um desenvolvimento tremendo, que os senhores autarcas têm plena consciência da herança positiva que deixam para o futuro, que os boatos sobre os seus interesses na Agência são puras calúnias, que a Estrutura de Missão é uma instituição que veio para o Douro para o ajudar a crescer e a resolver os seus problemas e que essa coisa de ser o "pau mandado" do Governo é um insulto injustificável, que António Mexia é um homem que está a fazer o melhor para o país apesar de nos cobrar nas facturas o que não gastamos porque se trata de um investimento no futuro, e que Sócrates é um homem com uma visão genial, um visionário, e que por isso é um incompreendido.
foto
E depois, meus amigos: pensem como é belo um paredão de cimento com 100 metros de altura a tapar o vale do Tua!
E como é belo um lago de 37 Km tendo no fundo o património e os esqueletos do nosso passado milenar!
Acho até que a tal Agência pode comprar submarinos para que os turistas possam visitar o Vale do Tua. Olha que rica ideia que eu tive!
E para que são precisas as linhas ferroviárias?
Vem aí o futuro! Abaixo as linhas ferroviárias! Vivam as naves espaciais! Vivam os OVNIS!

Por Francisco Gouveia, Eng.º
gouveiafrancisco@hotmail.com

Transcrito (porque vale mesmo a pena divulgar) de: Notícias do Douro (aqui)

--
Publicada por Xo_oX em A Linha é Tua a 3/30/2011 07:50:00 PM

[À Descoberta de Vila Flor] Prunus spinosa

Prunus espinosa é o nome científico atribuído ao abrunheiro bravo que agora se encontra em plena floração. Esta espécie pode ser encontrada praticamente em todo o concelho por que cresce e desenvolve-se de forma espontânea. É muito frequente em matas e silvados ou na berma dos caminhos, onde luta com bastante sucesso pela sua sobrevivência. Tem espinhos bastante afiados nos caules.
Os seus frutos são pequenos e bastante apetitosos à vista. São, no entanto, muito ácidos, só sendo agradáveis quando estão a cair de maduros. os frutos têm propriedades medicinais, embora não conheça a sua utilização terapêutica na região.
No momento, são as belíssimas flores albas que fazem festa para os insetos(e para os fotógrafos de natureza).

--
Publicada por Xo_oX em À Descoberta de Vila Flor a 3/30/2011 01:10:00 PM

segunda-feira, 28 de março de 2011

[À Descoberta de Miranda do Douro] Amendeiras em Flor em Miranda do Douro

 Nos dias 7 e 8 de Março estive em Miranda do Douro. Depois de alguns meses de ausência, tinha algumas expectativas e vontade de matar saudades da pequena e romântica cidade. Mas, o que aconteceu surpreendeu-me bastante. A cidade estava rodeada de amendoeiras em flor!

Apesar de ter vivido em Miranda do Douro durante alguns anos, nunca me apercebi que a cidade antiga se encontra entre amendoeiras. E o cenário era magnífico passei todo o meu tempo livre de máquina fotográfica em punho procurando os melhores ângulos. São imagens de alguma beleza, estas que pretendo partilhar.

--
Publicada por Xo_oX em À Descoberta de Miranda do Douro a 3/28/2011 01:28:00 AM

[À Descoberta de Vila Flor] Freguesia Mistério 45

Estamos quase no final do mês de  março eu eu sem publicar os resultados da Freguesia Mistério n.º44! Agradeço a quem me recordou desse facto. É sinal de que as pessoas estão atentas e seguem este desafio.
A Freguesia Mistério n.º44 pareceu, de facto, muito fácil! Foi, penso eu, a primeira vez que usei como desafio a vista parcial da aldeia, embora tenha limitado bastante o ângulo de visão.
Participaram 31 pessoas e os palpites destrinçaram-se da seguinte forma:
Assares (1) 3%
Benlhevai (13) 42%
Candoso (1) 3%
Lodões (1) 3%
Nabo (5) 16%
Roios (3) 10%
Sampaio (1) 3%
Vale Frechoso (2) 6%
Valtorno (1) 3%
Vila Flor (1) 3%
Vilarinho das Azenhas (1) 3%
Vilas Boas (1) 3%
Os votos na resposta certa, Benlhevai, juntou 13 "apostas", destacando-se desde início. Realmente a freguesia em causa era Benlhevai com a sua simpática aldeia espreitada ao sol. A fotografia foi tirada de uma zona alta, de perto do cemitério.
Com a fotografia completa, seria ainda mais fácil identificar a aldeia. Parabéns a todos os que acertaram.
O desafio que se segue é um pouco mais difícil. Há uma fraga famosa no concelho, conhecida como a fraga do ovo. No entanto, há no concelho mais de uma dezena de formações rochosas com características mais ou menos semelhantes. Umas mais fotogénicas do que outras (dependendo também das condições de luz e do dia em que as fotografo), vou colecionando imagens curiosas à espera de uma oportunidade para as mostrar. Estão espalhadas por todas as freguesias onde predomina o granito, como Vilas Boas, Freixiel, Samões, Carvalho de Egas, Valtorno, Candoso ou Mourão. Numa destas encontrei esta rocha e apeteceu-me empurá-la para tentar move-la.
Em que freguesia podemos encontrar esta rocha?
Quem ainda não deu o seu palpite, tem mais alguns dias para o fazer.

--
Publicada por Xo_oX em À Descoberta de Vila Flor a 3/28/2011 12:15:00 AM

domingo, 27 de março de 2011

[À Descoberta de Vila Flor] I Milha Vila Flor

No dia 13 de Março realizou em Vila Flor a prova desportiva,  "I Milha Vila Flor - Marcelo de Azevedo".
Esta prova foi organizada pela Câmara Municipal de Vila Flor com o Patrocínio do Sr. Manuel de Azevedo, Águas Frise e a colaboração da Associação de Atletismo de Bragança e Clube Desportivo de Vila Flor e integrou-se no programa concelhio das Amendoeiras em Flor 2011, que decorreu de 26 de Fevereiro a 13 de Março.
Esta realização trouxe a Vila Flor bastantes atletas, alguns a título individual, outros integrados em clubes regionais e noutros de renome nacional.
A prova decorreu na Avenida Marechal Carmona, a principal da vila, com partidas e chegadas em frente à Câmara Municipal.
Apesar do estado do tempo muito inconstante, participaram mais de duas centenas de atletas com uma boa participação de atletas locais com grande ênfase para os escalões mais baixos.
Para além de medalhas e medalhões para os primeiros classificados, foram também atribuídos prémios pecuniários, sendo o de valor mais elevado 300€. Foram também atribuídos prémios aos atletas melhores classificados oriundos do concelho.
Foi a primeira vez que se realizou esta prova, mas está praticamente assegurada a sua repetição nos próximos anos.


--
Publicada por Xo_oX em À Descoberta de Vila Flor a 3/27/2011 11:56:00 PM

[A Linha é Tua] Abraço ao TUA (1)

Cheguei há pouco de Foz-Tua depois de ter participado na iniciativa Abraço ao Tua. Aqui deixo as primeiras fotografias que ilustram bem o excelente dia passado numa paisagem deslumbrante e em muito boa companhia.
A primeira fotografia mostra o entusiasmo ao avistar o vale do Tua, ainda na aldeia do Castanheiro do Norte.

Estes são os primeiros passos da caminhada ao longo da linha, junto à estação de Castanheiro.

Alguma chuva, vento, nuvens bastantes, não foram suficientes para desmoralizar o grupo de participantes.

Este é um dos meus pontos preferidos, uma visão alargada do rio e da linha. Pouco depois do Túnel das Fragas Más.

"Abraço ao TUA" sobre a ponte rodoviária em Foz-Tua.

--
Publicada por Xo_oX em A Linha é Tua a 3/27/2011 10:22:00 PM

sábado, 26 de março de 2011

[A Linha é Tua] Vila Real - Linha do Corgo - Cordão Humano

A Linha do Corgo, abandonada cobardemente em 2009 pelo governo Sócrates, com a conivência de PSD e PP; precisa de defesa, dignidade e obras de requalificação.
Ao contrário do que se possa pensar, esta linha é útil, e o único acesso para as povoações que vive no vale do Corgo, e, quando requalificada,
será uma alternativa ao preço exorbitante da portagens na SCUT, A24 e ao também exorbitante preço dos bilhetes dos transporte rodoviários.
A Linha do Corgo precisa de Amigos!
O Movimento Cívico Pela Linha do Corgo, espera-vos dia 2 de Abril às 15.00 na Estação Ferroviária de Vila Real!

Paulo Seara

--
Publicada por Xo_oX em A Linha é Tua a 3/26/2011 06:00:00 AM

sexta-feira, 25 de março de 2011

[À Descoberta de Vila Flor] À Descoberta de Valtorno - 2.º Passeio de BTT

À Descoberta de Valtorno - 2.º Passeio de BTT, na freguesia de Valtorno, Vila Flor.
27 de Março de 2011.

--
Publicada por Xo_oX em À Descoberta de Vila Flor a 3/25/2011 01:59:00 PM

quinta-feira, 24 de março de 2011

[A Linha é Tua] Vamos abraçar o Tua

Já fiz a minha inscrição na iniciativa Abraço ao Tua que vai decorrer durante domingo, 27 de março.
Além da caminhada pela Linha do Tua, numa paisagem magnífica e única, anima-me a a ideia de que vou contar com a companhia de mais de uma centena de pessoas vindas dos mais dispares pontos do país e possivelmente do estrangeiro.

Não penso na iniciativa como um adeus, mas sim como mais uma mostra de que há muitas pessoas que continuam empenhadas em defender este património natural, histórico e cultural como importante e a preservar.
Encontramo-nos em Foz-Tua, dia 27.

Fotografia : Miguel Faria em um grupo de amigos, a poucos metros da estação de Castanheiro, dia 8 de Maio de 2010.


Viagem de comboio desde o Porto

O preço do bilhete é 9.7€ para cada lado.


Horários de comboio do Porto para Tua:
Porto São Bento ------- Porto Campanha ------- Tua ------- Duração
07h15 -------------- 07h20 -------------- 09h56 -------------- 2h31 (para quem quiser participar na caminhada!)
09h15 -------------- 09h20 -------------- 11h57 -------------- 2h37 (ainda chega à tempo de participar no Abraço)

Regresso para Porto
Tua --------- Porto Campanha ---------Duração
16h15 --------- 18h50 ------------------ 2h35
18h15 --------- 20h49 ------------------ 2h34

Descontos da CP para o bilhete de ida e volta:
- 17,5€ (com desconto ida e volta);
- 15,5€ (com desconto Cartao Jovem);
- 16,5€ (desconto de grupo) – se existirem grupos de 10 ou mais pessoas, podem reservar o bilhete no site da CP e depois levantá-los e pagá-los na estação:
http://www.cp.pt/cp/displayPage.do?vgnextoid=5776102f31a84010VgnVCM1000007b01a8c0RCRD

Mais informações: www.cp.pt, 808208208


Viagem de autocarro da Rodonorte

Não existem autocarros no domingo de manhã.

Apenas existe um autocarro para regressar domingo de tarde.

O preço do Tua para Porto é 9.80 €, e para Lisboa é 18.60 €.
Tua ----- Porto ----- Lisboa
17h55 ----- 20h30 ----- 25h15

Mais informações em Rodonorte.pt

Viagem de carro do Porto para Tua

Pode consultar um percurso possível aqui

Distância: 150km, duração prevista: 2 horas.

Mais informação sobre a iniciativa: Campo Aberto

--
Publicada por Xo_oX em A Linha é Tua a 3/24/2011 09:05:00 PM

quarta-feira, 23 de março de 2011

[À Descoberta de Torre de Moncorvo] I Rota da Cigadonha BTT

I Rota da Cigadonha BTT na localidade de Carviçais.
Este evento vai ser levado a cabo pelos 3 Duques BTT Team em parceria com a Associação Cultural Desportiva e Recreativa de Carviçais.



Terá lugar no dia 19 de Junho de 2011. Será constituído por cerca de 35 km com um total de altimetria de 900 metros e paisagens deslumbrantes.

Os interessados poderão realizar as inscrições enviando para rotacigadonha@acdr.pt

* Nome Completo;
* N.º BI/Cartão Cidadão;
* N.º Contribuínte;
* Morada.

As inscrições tem um preço de 10 euros s/almoço e 15,00 euros c/almoço (Porco no espeto entre outras especialidades regionais).
Os valores incluem também seguro, abastecimentos e alojamento, em sacos cama e colchão, na sede da ACDR e outros locais a definir com chuveiros, limitada ao espaço disponível.

--
Publicada por Xo_oX em À Descoberta de Torre de Moncorvo a 3/23/2011 11:54:00 PM

terça-feira, 22 de março de 2011

[À Descoberta de Mogadouro] Dia Mundial da Floresta

Para assinalar o Dia Mundial da Floresta escolhi a fotografia de um carvalho, fotografado em Vale da Madre, concelho de Mogadouro.

--
Publicada por Xo_oX em À Descoberta de Mogadouro a 3/21/2011 12:20:00 PM

[À Descoberta de Vila Flor] Amendoeiras em Flor 2011 (2)

Está quase a terminar a época da floração das amendoeiras.No fim de semana passado, numa deslocação que fiz a Carrazeda de Ansiães pude verificar que nas zonas maia elevadas e frias do concelho ainda há bastantes amendoeiras com flores, mas na Vilariça e à volta da vila já não é possível apreciar esse bonito cenário.
Felizmente eu fiz alguns registos e não vale a pena guardá-los para o próximo ano porque novas flores virão.
Estas fotografias foram feitas num dos meus locais preferidos para fotografar flores de amendoeira, que é num amendoal perto do Arco, depois do cruzamento da estrada o Seixo de Manhoses. Todos os anos vou várias vezes a este local.

--
Publicada por Xo_oX em À Descoberta de Vila Flor a 3/22/2011 02:13:00 AM

[À Descoberta de Carrazeda de Ansiães] Chegou a Primavera (Ribalonga)

No sábado passado fiz um longo passeio pela freguesia de Ribalonga. Ao longo de quase todo o dia percorri as ruas, canelhos, largos e até deu para sair da aldeia e procurar fotografá-la vista de fora. Fiz um conjunto bastante considerável de fotografias.
Uma das coisas que me surpreendeu foi sentir que estava na presença de um dia de Primavera (mesmo sem estar). O clima ameno local proporciona a animais e plantas condições favoráveis para o seu desenvolvimento temporão. Fotografei algumas espécies em flor, mas também os aves entoavam já os seus cantos de Primavera.
Aqui ficam as primeiras imagens de Ribalonga.


--
Publicada por Xo_oX em À Descoberta de Carrazeda de Ansiães a 3/22/2011 01:51:00 AM

quinta-feira, 17 de março de 2011

[A Linha é Tua] Abraço ao Tua


Abraço ao Tua – Dia 27 de Março pelas 15h – na Foz do Tua

Na Foz do Tua, os cidadãos pela defesa da Linha e Vale do Tua querem mostrar que Há Vida no Tua e apelámos a todos a participar no Abraço de Solidariedade com as pessoas que vivem na Região de Trás-os-Montes e Alto Douro e que dependem deste Bem Comum.

Programa:
(saídas do Porto e de Lisboa)
Programa
7h25 Saída de Estação Campanhã/Porto
10H00 Encontro na estação do Tua
10h30 Início da caminhada pela Linha do Tua: Castanheiro até Foz Tua*
14h00 Almoço/Piquenique (trazer farnel)
15h00 ABRAÇO ao TUA
16h00 Convívio e outras actividades

* Transporte de autocarro até Castanheiro (5€) + Seguro (1€); percurso de média dificuldade (sobre travessas dos carris) – trazer botas, água, reforço alimentar e roupa adequada às condições metereológicas.

Com o avanço das políticas que levam à ruína uma Linha Ferroviária que é parte do Património Vivo desta região a única forma de preservar o coração do Vale do Tua é dar os braços e impedir a sua destruição e garantir a prosperidade de todas as pessoas que subsistem desta enorme grandeza natural e cultural. Com este ABRAÇO ao TUA queremos expressar a profunda admiração que nutrimos pela beleza natural do rio e a harmonia que a Linha do Tua serpenteou ao longo de uma paisagem cheia de cor e vida.
A Linha do Tua tem uma importância fundamental para o desenvolvimento sustentável e para a qualidade de vida das pessoas desta região e é um meio de grande interesse para a exploração do Turismo na Região de Trás-os-Montes e Alto Douro. O corte da linha amputa um importante eixo de mobilidade inutilizando os 133km de linha férrea que liga Bragança e Mirandela à Linha do Douro e impede a ligação à Régua e Porto. Esta barragem acaba também com a possibilidade de modernização da Linha do Tua desde Bragança até Puebla de Sanábria, um troço de 40km que ligaria toda esta região às redes ferroviárias convencionais de Espanha e também à Rede Internacional de Alta Velocidade.
Todo o Vale do Tua é um potencial de desenvolvimento que se deve defender e uma boa gestão dos recursos passa por modernizar a Linha do Tua para assegurar um transporte seguro, económico e ecológico que não dependa de combustíveis fósseis.
É tempo de aproveitar aquilo que Portugal tem de bom! Todos perdemos com a construção da barragem!
Juntem-se neste Abraço ao Tua. Pelo Vale, pela Linha, pelo Tua!
** A organizar por associações culturais locais
Ergue a tua Voz
À Luz da Lua!
Junta-te a Nós,
A Linha é Tua!
O comboio vai passar
Traz nele uma criança
Está feliz vem a cantar
Muito perto de Bragança!

Mais informações:
Nuno Pereira – 962621945
Email: abracoTUA@gmail.com
A Linha e Vale do Tua conta com todos.
O Movimento de Cidadãos em Defesa da Linha do Tua
Contacto: Armando Azevedo ou Graciela Nunes – gracielanunes@sapo.pt
TM: 965 622 858
A Associação dos Amigos do Vale do Rio Tua
Campo Aberto
Contacto: Daniel Carvalho – danielpc@fastmail.fm
TM: 965402834
www.campoaberto.pt
GAIA
Contacto: André Studer – andre.studer@gmail.com
TM: 965698370
www.gaia.org.pt
COAGRET
Contacto: António Lourenço – ajm_lourenco@hotmail.com
www.coagret.com
Quercus
Contacto: Melissa Shin – melissa.shinn@gmail.com
www.quercus.pt


--
Publicada por Xo_oX em A Linha é Tua a 3/17/2011 02:13:00 AM

terça-feira, 15 de março de 2011

[À Descoberta de Vila Flor] Ameixieira-de-jardim - Prunus cerasifera

Mesmo com mau tempo e com o espectáculo das amendoeiras em flor a entrar numa fase de decadência, é possível encontrar exemplares de rara beleza nas ruas de Vila Flor. Os primeiros pés da Ameixeira-de-jardim a florirem foram dois que se situam à entrada da Praça da República (quem desce da Câmara).
Para quem quiser apreciar o espectáculo completo recomendo um passeio pela Av. Dr. Francisco Guerra (por trás da Câmara Municipal).

--
Publicada por Xo_oX em À Descoberta de Vila Flor a 3/15/2011 02:49:00 AM

domingo, 13 de março de 2011

sábado, 12 de março de 2011

[À Descoberta de Vila Flor] Desfile de Carnaval

No dia 4 de Março, à tarde, realizou-se um cortejo de Carnaval que juntou todas as crianças do pré-escolar do concelho, os alunos de todas as escolas do primeiro ciclo do e os alunos do 2.ºciclo da Escola EB2,3 de Vila Flor.
Este cortejo e já uma tradição no Carnaval. É organizado pelo Agrupamento de Escolas e pela Câmara Municipal sendo uma festa de cor e alegria, apesar do frio que normalmente se faz sentir. Este ano não foi excepção e, apesar da ameaça de chuva, tal não veio a acontecer, permitindo que centenas de crianças tenham percorrido as principais ruas da vila em enorme animação.
Os disfarces envergados pelas crianças, cheios de cor e de materiais reciclados, foram elaborados integrados no tema do Projecto Educativo, sobre o tema Saúde e Sustentabilidade.
A escola de música Zécthoven foi a responsável pela animação musical, abrindo o cortejo com um animado grupo de bombos.
Após a queima do Entrudo, ano após ano relutante em arder, que este ano foi feito pelo Jardim-de-Infância da Santa Casa da Misericórdia, foi distribuído um lanche a todas as crianças.

--
Publicada por Xo_oX em À Descoberta de Vila Flor a 3/12/2011 11:59:00 PM

terça-feira, 8 de março de 2011

[A Linha é Tua] Tua

Este vídeo hoje já não seria possível, foi feito em Maio de 2006 na Linha do Tua, as filmagens foram obtidas entre a estação da Brunheda e a Estação do Tua, no âmbito de um trabalho académico (Bento Aires, Ivan Leite, Claudia Felizardo, Sara Rodrigues e Isabel Nóbrega), sobre o impacte ambiental da barragem do Tua.
Esta é a zona que vai ficar submersa pela barragem do Tua recentemente lançada, fica o registo, esperemos as vantagens e os pontos fortes superem as perdas.

Retirado do Youtube

--
Publicada por Xo_oX em A Linha é Tua a 3/08/2011 10:37:00 PM

domingo, 6 de março de 2011

[A Linha é Tua] BTT pela Linha do Tua



Caro Aníbal Gonçalves,
Eu e alguns amigos fascinados pelo btt, pensamos fazer um raid pela linha do Tua, antes da construção da barragem.
Não conheço a zona, tentei pesquisar na net e vi fotografias de rara beleza paisagística, o que mais me entusiasmou.
...

JS


Olá JS
Não é fácil fazer BTT ao longo da linha assim como não foi fácil construir a linha, muitas vezes rasgando o granito só com largura suficiente para a composição passar. Em grande parte do traçado seria simplesmente destruir a bicicleta, uma vez que teria que ir sobre a linha ou sobre a gravilha. Apenas entre Mirandela e Ribeirinha, mais a montante da linha que não corre o risco de ficar submersa, é possível acompanhar de perto a mesma, utilizando estradas ou caminhos rurais.
Eu já há muito tempo que pensei em fazer o percurso Mirandela - Foz Tua em BTT. Estudei um traçado, com pouco mais de 80 km, que segue o mais próximo possível da Linha do Tua, com algumas excepções.
- No concelho de Vila Flor, há um afastamento com o objectivo de subir ao monte de Nossa Senhora da Assunção, um dos miradouros mais fantásticos de Trás-os-Montes (exige bastante esforço).
- No concelho de Alijó o traçado é pela margem esquerda do rio, bastante afastado dele, pelo alto das montanhas. Esta zona, a teoricamente ficará submersa, é muito agreste e é impossível seguir por algum caminho ao longo do vale. Todos os caminhos sobem do fundo do vale para a crista das montanhas em redor, onde se situam as aldeias. De qualquer forma o percurso no concelho de Alijó permitiria ver a linha de alguns miradouros com paisagens fantásticas. Conheço mais mal este concelho e por isso o traçado está feito por estrada, talvez seja possível melhorá-lo.
Ainda não ganhei coragem (nem preparação física) para me lançar em mais esta aventura, mas a ideia não está esquecida.
Cumprimentos
Aníbal Gonçalves

--
Publicada por Xo_oX em A Linha é Tua a 3/06/2011 12:38:00 AM

[À Descoberta de Carrazeda de Ansiães] À Descoberta de Marzagão (2.ªParte)

Continuação deÀ Descoberta de Marzagão (1.ªParte)
O melhor lugar para deixar o automóvel é o Largo da Igreja. O resto da aldeia deve ser explorado a pé. Tomando a Rua de S. João Baptista chega-se à capela de S. João. É uma construção sóbria, pequena, recuperada depois de muitos anos de abandono. Não tem qualquer altar, mas no tecto são visíveis alguns vestígios de pintura.
Depois de se passar na Fonte da Santinha (tem um painel de azulejo representando Nossa senhora de Fátima) e a Rua do Loureiro há uma capela com um pórtico de volta perfeita, em granito. É propriedade privada e poucos sabem o que está lá dentro.
Continuando na rua de S. João Baptista surge, à esquerda, mais um cruzeiro. Agora completamente lavado, já teve um aspecto bastante diferente. Estava decorado com a imagem de Cristo crucificado, tendo pintado à frente de uma das mãos um martelo; à frente da outra mão uma turquês; num dos lados da cruz estava pintada uma escada. Os restos da pintura desapareceram há mais de meio século, após uma limpeza.
É preciso percorrer a rua de S. João Baptista até ao final, ultrapassar as últimas casas em direcção ao Carrascal, para se encontrar a Fonte do Gricho. Completamente recuperada é, de novo, motivo de orgulho para todos os habitantes. Aqui alguns passaram momentos importantes das suas vidas, num tempo em que ir à fonte era uma das actividades mais interessantes, principalmente para as moças solteiras. Quando aparecia um rapaz com habilidade para o realejo, os pesados canecos de madeira ficavam esquecidos na borda da fonte e improvisava-se um baile, que durava até ao fim da tarde.
A fonte do Gricho é uma bonita fonte de mergulho, talhada em granito, embutida numa parede, a que se tem acesso do caminho descendo alguns degraus. Do lado direito está gravada uma data, que não se percebe completamente. Parece ser 1844A, mas não tenho a certeza.
De regresso à aldeia, foi a altura de me perder pelas ruas mais estreitas, becos e caminhos sem nome. Nome? Têm … como Rua da Portelinha, Rua do Cruzeiro, Rua das Poldras, Rua do Loureiro, Rua da Pereira, Rua da Escola, Rua da Fonte Nova, Largo do Terreiro, Cimo do Povo, Laja, etc. O problema é que não existem placas, e, mesmo os residentes, não sabem bem o nome da rua em que moram! Segundo consegui apurar, há muitos anos atrás as ruas tiveram placas com os nomes, mas foram retiradas! Se forem placas em chapa, esmaltadas, como a que está no início da rua S. João Baptista, acho que é de as repor, são muito bonitas.
Não resisti a subir ao Cimo do Povo. Deixei as casas para trás e subi ao alto de um rochedo de onde tinha uma nova perspectiva da aldeia. O núcleo mais antigo de casas está muito degradado. Há locais onde não chegam os automóveis e onde praticamente não mora ninguém. Também Marzagão sobre do mal geral, a desertificação. Os que restam procuram melhores condições, construindo à volta, em bairros novos, com mais espaço, com melhores acessos. Apesar da falta de pessoas, as condições são melhores do que alguma vez foram, com os estreitos caminhos calcetados e limpos.
Espreitando aqui e além, fui descobrindo curiosidades que me tinham passado despercebidas em visitas anteriores. Quando descia do Cimo do Povo encontrei outra fonte de mergulho, muito mais rústica e antiga do que a Fonte do Gricho. Pelo desgaste na soleira que lhe dá acesso, deve ter sido muito utilizada. Mesmo em frente da fonte, uma casa velha tem gravado na ombreira da porta as iniciais A. J. e o ano de 1760.
Há várias janelas e portas com estilo manuelino. Nada de muito elaborado, mas o suficiente para merecerem ser preservadas. Perto da rua da Pereira há duas coisas que também merecem ser referenciadas. Uma delas é o pórtico de uma casa, em granito, ricamente trabalhado. Infelizmente estava tapado por fitas para as moscas! A outra são dois ornamentos, chamados mísulas com representação de duas cabeças. Uma, dizem que representa Marzagão e a outra a sua esposa.
Ao longo de toda a aldeia há interessantes alpendres em madeira, pedras gravadas com desenhos e datas (dizem que algumas vieram do castelo), bem como alguns trabalhos em ferro forjado dignos serem fotografados.
Existe na aldeia um bonito café, mas que raramente está aberto. A taberna Trigo também já está encerrada, depois de ter servido durante dezasseis anos. A idade avançada e a falta de clientes, ditaram a morte do espaço, que pouco mudou desde então. E foi com um copo de vinho fino na taberna, aberta só para satisfazer a minha curiosidade, que terminei o meu périplo pela aldeia de Marzagão.
Ficou muita coisa por visitar: o castelo das Donas; uma necrópole; a Fonte Santa; os moinhos de água que se estendiam pela Ribeira de Linhares, etc. Ficou por fazer; um passeio pedestre entre Marzagão e o castelo; explorar o vale ao longo da ribeira da Ferradosa, quem sabe até uma caminhada entre Marzagão e Campelos. São muitas as razões para voltar a Marzagão em breve.

--
Publicada por Xo_oX em À Descoberta de Carrazeda de Ansiães a 3/06/2011 12:35:00 AM

sábado, 5 de março de 2011

[À Descoberta de Vila Flor] Pedro Barroso actuou em Vila Flor

No dia 26 de Fevereiro teve lugar no auditório Adelina Campos, em Vila Flor um concerto musical com Pedro Barroso, no âmbito da das festividades da Amendoeira em Flor.
Foi um espectáculo intimista onde os sons e as palavras se combinaram em encantamento, palavra que o próprio Pedro Barroso utilizou com frequência. As canções desfilaram de forma espontânea, umas mais antigas outras mais recentes, pelo menos uma ainda não gravada. Com "Menina dos olhos de água", "Viva quem canta" e "Verdes são os campos" o concerto atingiu os pontos mais altos, mas também o "Fado Quitério" acolheu grandes aplausos. Para os mais atentos às palavras, não devem ter passados despercebidos "Bonita", "Cantarei" ou "Maria Montanha".
"falavas de projectos e futuro
de coisas banais frivolidades
mas quando me sorriste parou tudo
problemas do mundo enormidades
senti que um rio parava e o nevoeiro
vestia nos teus dedos capa e espada
queria tanto que um olhar bastasse
e não fosse no fundo preciso
queria tanto que um olhar bastasse
e não fosse preciso dizer nada
é tão difícil encontrar pessoas assim bonitas"
A acompanhar a voz e a guitarra de Pedro Barroso estiveram mais três exímios músicos que mostraram muita qualidade e cumplicidade. Adorei a sonoridade do acordeão e do piano de cauda, mas as violas ou a flauta transversal também estiveram fantásticas. Em suma, foi um espectáculo maravilhoso.
É pena que o auditório não tenha enchido, mas cada um sabe a melhor forma de ocupar o seu tempo.
Está de parabéns a Câmara Municipal pelo convite feita a Pedro Barroso. Já não passava um momento assim desde que cá esteve o Fernando Tordo.

--
Publicada por Xo_oX em À Descoberta de Vila Flor a 3/05/2011 01:31:00 PM

sexta-feira, 4 de março de 2011

[À Descoberta de Vila Flor] Olha Vila Flor

Olha Vila Flor
Que bonita vai
Olha o meu amor
Que daqui não sai

Olha Vila Flor
Que bonita está
No seu esplendor
Mais linda não há

O queijo e o requeijão
Vão sempre à nossa mesa
O chouriço e o salpicão
Produtos à portuguesa

Do mel que saboreei
E dos figos que comi
Outros sabores eu provei
Para não me esquecer de ti

Deixei o vinho a correr
Enquanto o mel fui tirar
Tinha amêndoas para comer
E azeite para apaladar

A alheira tradicional
Aqui tem mais sabor
È feita em especial
Por gentes de Vila Flor

No cesto trago saudade
No coração trago amor
Muita paz e felicidade
São votos de Vila Flor

Foi entre as amendoeiras
Vinhas e Olivais
Tantas raparigas solteiras
Ali deixaram seus ais

Olha Vila Flor
Que bonita vai
Olha o meu amor
Que daqui não sai

Olha vila flor
Que bonita está
No seu esplendor
Mais linda não há

Poema de Fernando Silva.
Fotografias tiradas em Samões.

--
Publicada por Xo_oX em À Descoberta de Vila Flor a 3/04/2011 02:55:00 AM

[À Descoberta de Carrazeda de Ansiães] Prosas e poesias (I)

"A aldeia era animada e havia muita mocidade, especialmente raparigas, que os rapazes estavam a ir em bandos para o Brasil, no sonho de fortuna seguramente rápida, a abanar a árvore das patacas; composta de um aglomerado velho de casas de pedra nua, atravessado a meio por um caminho largo que conduzia a Montelongo, capela de dois altares e igreja matriz da Senhora das Neves com torre sineira e relógio accionado por dois pesos de granito, três fontes de mergulho: a da gricha, a do valtalho e a da Canelha. Era nesta última que Joaquina recolhia os canecos de água, não só por ser a mais próxima mas também por ser a mais limpa: nas outras duas os animais bebiam com frequência da mesma água das pessoas. Esta tinha uma abóbada de pedra colocada de tal forma que os animais tinham dificuldade em chegar à água e dois degraus laterais que serviam de banco, num plano inferior ao do caminho, onde as pessoas podiam conversar. Além disso, a canelha não tinha muito movimento, pois só de manhã e à noite os lavradores passavam por ali para levar ou trazer os animais dos lameiros da pontesinha, e por isso os namorados a preferiam."
Do romance "O violino do meu pai: Partir ou Ficar em Trás-os-montes" da autoria de Campos Gouveia.
A fotografia foi tirada a 28 de Janeiro de 2011, em Belver.

--
Publicada por Xo_oX em À Descoberta de Carrazeda de Ansiães a 3/04/2011 02:25:00 AM