sábado, 21 de janeiro de 2017

[À Descoberta de Vila Flor] Já se passaram 10 anos

É verdade, já decorrem 10 anos desde que começou a aventura À Descoberta de Vila Flor.  A data do aniversário é 3 de setembro, mas este ano não tive direito a bolo ou champanhe para a festa. Mesmo assim, sem festa e em data atrasada, não quero deixar de fazer o balanço de mais um ano decorrido.
Já vai longe o entusiasmo inicial, de percursos semanais, cada vez mais distantes, percorrendo o vales mais recônditos ou o cume dos montes. Os anos vão passando e fui-me acomodando, a "descobertas" que exigem menos esforço, mas que deixam muito a desejar no prazer da descoberta. Já há muito afastado da bicicleta, restam os percursos pedestres, com muito poucos caminhos para descobrir. A parte mais saborosa destes anos foi quando ninguém me conhecia. Fazia os percursos, vibrava com as fotografias, escrevia as reportagens como quem fazia um diário,revivendo cada metro percorrido ou cada fotografia tirada. Não esperava nada de ninguém, nem ninguém esperava nada de mim. A partir de certa altura tornei-me mais urbano e o contacto com as pessoas nem sempre é motivante para darmos mais de nós.
Com a facilidade com que se publica e se descarta a informação nas redes sociais, escrever um texto com o mínimo de coerência e estrutura torna-se uma tarefa pesada. A diferença deu-se quando comecei a escrever para os outros, mais do que para mim. A fraca frequência com que o blogue foi actualizado contrasta com o dinamismo da página do Facebook que administro, que já soma alguns milhares de seguidores. Mas não é a mesma coisa. É verdade que é no facebook que estão as pessoas, mas também é aí que tudo é volátil, descomprometido e falso, de certa forma.
Das poucas caminhadas que fiz durante um ano houve uma que merece destaque. Tratou-se de uma ida de Freixiel à Quinta do Pobre, durante o mês de março. Percorrer mais uma vez o vale da Cabreira, numa altura em que a vegetação despertava do seu sono invernal foi muito entusiasmante. As condições atmosféricas também contribuíram, com alterações significativas desde o sol à chuva "molha tolos", terminando a caminhada com um fantástico céu azul pincelado de nuvens brancas.
De 3 de setembro de 2015 a 3 de setembro de 2016 aconteceram grandes alterações na minha vida e na da minha família. Momentos delicados, uns felizes, outros nem tanto, mas que mereceram prioridade sobre a actividade de "vagabundo" fotográfico, no concelho de Vila Flor e fora dele. A prova de hoje estar aqui, a escrever, é a de que segui em frente e estou preparado para o 11.º ano, à procura de singularidades que me surpreendam, me arrepiem, que me façam sentir que vale a pena viver aqui.
À semelhança dos anos anteriores, é a altura de dar uma vista de olhos aos números.
Números do 10.ºano:
Páginas vistas - 15.117
Visitantes -  10.598
Comentários - 8
Postagens - 5
Km percorridos em BTT - 0
Km percorridos a pé -  34
Fotografias tiradas - 9.671
Fotografias publicadas -  15


Números totais (10 anos):
Páginas vistas - 771,713
Visitantes - 365.062
Comentários - 1 896
Postagens - 1 157
Km percorridos em BTT(10 anos) -  2.297
Km percorridos a pé (6 anos) -  952
Fotografias tiradas - 161.320

--
Publicada por Blogger às À Descoberta de Vila Flor a 11/01/2016 11:42:00 da tarde

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

[À Descoberta de Vila Flor] Caminhada pela Fragada

 A Junta de Freguesia de Santa Comba da Vilariça organizou no dia 29 de outubro uma caminhada, caminhada pela Fragada.
A vontade de organizar a caminhada já surgiu há algum tempo, mas só agora se reuniram as condições para a poder por no terreno. A hora não não foi a mais propícia, 15 horas de sábado, mas foi escolhida tendo em conta a realidade local, em que muitas pessoas trabalham ao sábado de manhã e também o facto de no domingo ser dia de caça.
Compareceram um pouco mais de 40 caminheiros, de todas as idades e com vontade de conhecer (ou de rever passados muitos anos) a Fragada.
O local situa-se entre a aldeia de Santa Comba da Vilariça e Bemlhevai, próximo do IP2. Tal como o nome deixa antever, trata-se de um lugar agreste, situada numa cota bastante mais alta do que Santa Comba da Vilariça e que permite uma excelente vista para o vale da Vilariça.
Aproveitou-se também a caminhada para uma sensibilização da população para o problema do cancro, uma vez que o dia 30 de Outubro ser o Dia Nacional contra o Cancro de Mama. Muitas pessoas vestiam peças de roupa brancas ou rosa e foram distribuídos balões cor-de-rosa.
 Depois de verificadas as inscrições e ser distribuída a mochila com água, uma peça de fruta e uma barrinha de cereais, o grupo partiu em direção à Fragada. A subida era íngreme, e apesar do caminho ser bastante bom, fazia muito calor e alguns sentiram alguma dificuldade.
 Diminuiu-se o ritmo para manter o grupo junto e seguiu-se em frente ouvindo as história de por quem já por ali tinha andado à cortiça, com o gado ou à caça."Andai lá ovelhinhas, cada sobreiro "bota" um Viriato", ouviu-se a certa altura. Ficamos a saber que houve tempos bem mais difíceis, tempos em que até a Fragada era importante (e guardada).
Depois de atingido o ponto mais elevado do percurso a paisagem fez esquecer o suor e a descida foi feita entre momentos de boa disposição e de contemplação. Um roco apareceu a lembrar a época dos cogumelos.
No final da caminhada o Sr. Presidente da Junta mostrou-se satisfeito com a adesão conseguida nesta primeira edição. Agradeceu a presença de todos e prometeu novas caminhadas no futuro.
O evento teve o apoio da Câmara Municipal e do Grupo Desportivo de Santa Comba da Vilariça.



--
Publicada por Blogger às À Descoberta de Vila Flor a 10/31/2016 01:41:00 da manhã

domingo, 31 de julho de 2016

[A Linha é Tua] Informação (31.07.2016)

Ainda posso caminhar na Linha do TUA?
 A parte mais selvagem, onde existem os túneis, já não pode ser percorrida. Já há troços inundados e os restantes ou são de difícil acesso, ou só podem ser percorridos com grande risco de vida.
O carris foram arrancados ao longo de 21 kms, embora só os primeiros 16 km vão ficar submersos.
O melhor percurso é ir até Brunheda (ou S. Lourenço, aldeia de Pombal), deixar aí o carro e começar a fazer o percurso descendente, até onde se conseguir. Tendo depois que se fazer o caminho inverso, para voltar ao carro.
Partindo de Brunheda podem ser percorridos, sem grandes perigos, pelo menos 11 km, o que faz 22 kms com o regresso.
Arriscando contornar o túnel da Falcoeira, pode ir-se, na melhor das hipóteses, até ao túnel das Fragas Más, que são 15,3 kms (30,6 km ida e volta).
Esta última hipótese depende do nível que as águas da albufeira já atingiram.
Há acesso à estação de Castanheiro, a pé ou com 4x4, desde a aldeia do Castanheiro e da aldeia de Tralhariz. Estes acessos pode ser usados para percursos diferentes.
Partilhem as fotografias dos percursos connosco.

Nota: as fotografias são de 19 de junho, agora (31 de julho) o nível das águas deve estar bastante mais elevado.

--
Publicada por Blogger às A Linha é Tua a 7/31/2016 11:26:00 da manhã

quarta-feira, 18 de maio de 2016

[A Linha é Tua] Informação (18.05.2016)

A última informação recebida dá conta de dois túneis atulhados: Fragas Más II (5,7 km) e Falcoeira (9,2 km). Acreditem que não é fácil contornar estes obstáculos.
Talvez o melhor percurso para se fazer neste momento seja Brunheda-Túnel da Falcoeira-Brunheda. Serão cerca de 20 km no total, com a vantagem de terminar no mesmo local (onde possivelmente se deixou a viatura).
Já fiz o percurso partindo de perto da aldeia de Paradela e descendo à linha junto da Ponte de Paradela, continuando para montante. É outra alternativa.

--
Publicada por Blogger às A Linha é Tua a 5/18/2016 11:48:00 da tarde

segunda-feira, 25 de abril de 2016

[A Linha é Tua] O último ano do Tua

Em breve, centenas de hectares agrícolas, um dos melhores rios para a prática de desportos de montanha e águas bravas da Europa e uma linha ferroviária centenária serão submersos pela Barragem de Foz Tua, uma barragem que ninguém quer, mas que todos vão pagar. Conheça as histórias de quem se prepara para perder muito mais do que terra e junte-se ao Esporão na defesa desta região em ultimoanodotua.pt. Se não for já, já não é.

Assista e partilhe estes vídeos. Ajude-nos a espalhar a mensagem sobre o vale do TUA e actue.
Envie já a carta para a UNESCO. Evite a conclusão da barragem. #savetua
http://ultimoanodotua.pt/

--
Publicada por Blogger às A Linha é Tua a 4/25/2016 07:06:00 da tarde

domingo, 24 de abril de 2016

[A Linha é Tua] A última descida do rio (Ricardo Inverno)

Esta é a história de Ricardo Inverno, presidente do Clube de Canoagem de Águas Bravas de Portugal. Como tantos outros, irá perder uma das melhores regiões para a prática de desportos de montanha e águas bravas da Europa, para que se construa a Barragem de Foz Tua, uma barragem que ninguém quer, mas que todos vão pagar.

Assista e partilhe estes vídeos. Ajude-nos a espalhar a mensagem sobre o vale do TUA e actue.
Envie já a carta para a UNESCO. Evite a conclusão da barragem. #savetua
http://ultimoanodotua.pt/

--
Publicada por Blogger às A Linha é Tua a 4/24/2016 06:59:00 da tarde

sábado, 23 de abril de 2016

[A Linha é Tua] A Última Vindima (Pedro Duarte)

Esta é a história de Pedro Duarte, viticultor na região do Tua, integrada no Alto Douro Vinhateiro, classificado como Património Mundial pela UNESCO. Como tantos outros, foi obrigado a vender hectares de vinha para que se construa a Barragem de Foz Tua, uma barragem que ninguém quer, mas que todos vão pagar.

Assista e partilhe estes vídeos. Ajude-nos a espalhar a mensagem sobre o vale do TUA e actue.
Envie já a carta para a UNESCO. Evite a conclusão da barragem. #savetua
http://ultimoanodotua.pt/

--
Publicada por Blogger às A Linha é Tua a 4/23/2016 06:57:00 da tarde

sexta-feira, 22 de abril de 2016

[A Linha é Tua] A Última Colheita (Manuel Queiroga)

Esta é a história de Manuel Queiroga, produtor agrícola na região do Tua, integrada no Alto Douro Vinhateiro, classificado como Património Mundial pela UNESCO. Como tantos outros, foi obrigado a vender o seu terreno agrícola para que se construa a Barragem de Foz Tua, uma barragem que ninguém quer, mas que todos vão pagar.

Assista e partilhe estes vídeos. Ajude-nos a espalhar a mensagem sobre o vale do TUA e actue.
Envie já a carta para a UNESCO. Evite a conclusão da barragem. #savetua
http://ultimoanodotua.pt/

--
Publicada por Blogger às A Linha é Tua a 4/22/2016 06:49:00 da tarde

quinta-feira, 21 de abril de 2016

[A Linha é Tua] A última caminhada

Assista e partilhe estes vídeos. Ajude-nos a espalhar a mensagem sobre o vale do TUA e actue. Envie já a carta para a UNESCO. Evite a conclusão da barragem. #savetua

--
Publicada por Blogger às A Linha é Tua a 4/21/2016 06:43:00 da tarde

sábado, 30 de janeiro de 2016

[À Descoberta de Alfândega da Fé] Cerejais - Porta da Misericórdia

Uma das marcas do Jubileu Extraordinário da Misericórdia é a existência das "Portas da Misericórdia". A primeira foi aberta pelo próprio Papa Francisco, em Roma, no dia 8 de dezembro seguindo-a a abertura de outras portas por todo o mundo católico.
Em Portugal serão 151 as igrejas jubilares, existindo  em cada uma porta com um simbolismo especial, capazes de conceder aos crentes indulgência plenária.
Na diocese Miranda/Bragança são 5 as Portas da Misericórdia que foram abertas nas seguintes datas:
13 de dezembro de 2015 – Catedral em Bragança; 03 de janeiro de 2016 – Concatedral em Miranda do Douro; 10 de janeiro de 2016 – Basílica do Santo Cristo em Outeiro; 17 de janeiro de 2016 – Santuário de Nossa Senhora de Balsamão e  24 de janeiro de 2016 – Santuário do Imaculado Coração de Maria em Cerejais.
A cerimónia levou largas centenas de pessoas ao Santuário dos Cerejais onde o o bispo D. José Cordeiro presidiu à cerimónia. Estavam presentes crentes do Arciprestado de Moncorvo, mas também vindos de locais mais distantes do distrito.


Cerejais - Abertura da Porta Santa
Abertura da Porta Santa do Ano da Misericórdia no Santuário de Cerejais | Diocese Bragança-Miranda Data: 24-Jan-2016Local: Cerejais, Alfândega da Fé
Publicado por Alfândega da Fé, concelho em Terça-feira, 26 de janeiro de 2016


--
Publicada por Blogger às À Descoberta de Alfândega da Fé a 1/30/2016 11:39:00 da tarde

[À Descoberta de Alfândega da Fé] Reis 2016

 No dia 9 de janeiro o Auditório Dr. Manuel Faria enchei-se para mais uma gala dos Reis, no concelho de Alfândega da Fé.

Boas Festas vimos dar
P'ra manter a tradição
Estamos aqui p'ra cantar
Com toda a satisfação.
Grupo de Concertinas de Sambade
Ano Novo, Ano Novo,
Ano Novo, melhor ano
Nós vimos cantar os Reis
Como é lei de cada ano.

Nós andámos toda a noite
Toda a noite e todo o dia
A ver quem chega primeiro
Aos pés da Virgem Maria.
Grupo de Cantares de Carrazeda de Ansiães

Nós vimos cantar os Reis
Não é p'ra ganhar dinheiro
É p'ra lembrar
O dia 6 de janeiro.
Grupo de Cantares de Sambade
Foi a primeira vez que tive o prazer de estar presente numa destas galas, mas fiquei positivamente surpreendido pela qualidade dos grupos presentes e pela postura do publico presente, que esteve atento e deu os aplausos merecidos após cada actuação.
Grupo de Cantares de Alfândega da Fé
Nós somos a voz do povo
que os Reis gosta de louvar,
trazemos o Ano Novo
e muita força p'ra cantar.
Trazemos o Ano Novo
e muita força p´ra cantar.

Andamos p'la noite escura
caia neve ou faça frio,
sem medo nem amargura
cantamos ao desafio.
Sem medo nem amargura
cantamos ao desafio.
Não estava à espera, mas reencontrei bons amigos nos grupos visitantes. O facto de ter uma vida bastante nómada, em parte pelo prazer da fotografia, mas também por motivos profissionais, faz com que tenha conhecimentos em muitas localidades do distrito.
Grupo de Cantares de Alfândega da Fé
Senhores meus que estais à lareira
Nós vimos pela formosa noite fria
Com muito gosto as Boas Festas dar,
As Boas Festas tão cheias de alegria.

Venham depressa que entremos
Já nos cheira a salpicão
Venha a caneca pró lume
É que trás animação.
Grupo de Cantares de Carrazeda de Ansiães
Nós vimos p'la formosa noite escura
Pois está frio nem sequer faz luar
Nós desejamos que tenham Boas Festas
Paz, muita paz, alegria a todo o lar.

Dai-nos do trigo, nozes e marmelada
Dai-nos bom vinho, abri esses tonéis
Dai-nos do porco, chouriça bem assado
É o que quer quem vos vem cantar os Reis.

Grupo de Cantares de Alfândega da Fé
Confesso que estava à espera de maior participação por parte de grupos do concelho, quer freguesias ou associações culturais. Não sei se em anos anteriores isso aconteceu. O certo é que os cinco grupos presentes fizeram um grande espectáculo, que ocupou toda a tarde e pedir mais seria difícil.
Independentemente da história de cada grupo, da sua qualidade e mesmo do publico que cada um está habituado a enfrentar, todos deram o seu melhor.
Estiveram presentes o Grupo de Concertinas de Sambade e dos Grupos de Cantares de Alfândega da Fé e Sambade. Os Reis de Alfândega contaram ainda com a participação do Grupo de Cantares de Carrazeda de Ansiães e do Coro da Cruz Vermelha de Mirandela. A razão de ali estarmos era festejar os Reis e esse espírito esteve sempre presente.

Andam sorrisos nos lábios
Nos corações alegria
Quer dos pobres quer dos ricos
A festejar este dia

Vivam todos os senhores
E toda a sociedade
Tenham todos Boas Festas
E muita felicidade.

Vimos dar as Boas Festas
Anunciá-las também
Já nasceu o Deus Menino
No presépio em Belém.

Em Belém foi Deus nascido
No Jordão foi baptizado
Em Jerusalém foi preso
Na cruz foi crucificado.

Quem diremos nós que viva
Que ao toro cai a bolota
Se nos querem dar os Reis
Venham-nos abrir a porta.

Despedida, despedida,
Diz a cereja ao ramo,
Passem muito bem a noite
Adeus, até para o ano.

No final da festa houve um lanche convívio para os grupos participantes.
pensei ainda ter tempo para fazer um passeio nocturno pelo jardim para apreciar os presépios ainda expostos mas fazia mau tempo e pouco pude explorar.
 Está de parabéns a organização e os grupos participantes.
Agradeço ao Grupo de Cantares de Alfândega da Fé e ao Grupo de Cantares de Sambade por me terem disponibilizado as letras dos versos que cantaram.
--
Publicada por Blogger às À Descoberta de Alfândega da Fé a 1/30/2016 10:29:00 da tarde

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

[A Linha é Tua] Respostas a algumas questões


Resposta a algumas questões que me chegaram via formulário da página no Facebook - A Linha é TUA.

- É preferível fazer a caminhada de Fiolhal para Brunheda ou de Brunheda para o Fiolhal?
São múltiplos os fatores que podem influenciar a escolha mas há alguns que me levam a preferir começar a caminhada em Fiolhal: a caminhada é bastante longa e pode tornar-se cansativa; tira-se muito mais prazer (e fotografias) nos primeiros quilómetros e o entusiasmo vai diminuindo; o percurso da Linha ao Fiolhal é muito esgotante para final da caminhada, principalmente se fizer calor:

- É necessário fazer todo o percurso entre Fiolhal e Brunheda ou podemos desistir noutro apeadeiro?
Entre Fiolhal e Brunheda o único acesso por carro ligeiro à linha é em S. Lourenço (ao 16.ºKm). Desistir em Tralhariz, Castanheiro ou Tralhão obrigaria a uma íngreme longa e caminhada até se ter acesso a uma estrada.

- Há algum taxista que possa ser contactado em caso de emergência?
 O serviço de táxi da Linha do Tua pode ser contactado através do n.º 917534718. Normalmente, existem 2 serviços, um pela manhã e outro ao final do dia.
Número de outros táxis (Carrazeda de Ansiães) 278 617351 / 964054167 / 966796765.

- Qual é o troço da Linha mais bonito?
Gostos não se discutem. A linha é muito diferente desde Foz-Tua a Mirandela e depende muito das estações do ano e do estado do tempo. Pela paisagem única, recomendo a parte que se calcula que venha a ficar submersa Fiolhal – S. Lourenço (16km). Para Caminhadas mais curtas Brunheda- Abreiro (9 Km) ou mesmo Abreiro-Ribeirinha (3,5 km).

- Quais os cuidados a ter nas caminhadas?
Caminhar em locais isolados de difícil acesso deve ser feito de forma muito cautelosa e nunca por pessoas isoladas. Não são necessárias lanternas para passar os túneis, e as pontes e viadutos são de pouca altitude (mas mesmo assim há pessoas que sentem fobia). O maior perigo é o de entorses ou quedas. Caminhar sobre a gavinha não é muito agradável e fazê-lo sobre as travessas também não. As travessas quando molhadas tornam-se muito escorregadias. São aconselhadas botas fortes e confortáveis. Em tempo quente é necessário transportar muita água. Os poucos pontos de água existentes vão-se perdendo e é melhor nem contar com eles.

--
Publicada por Blogger às A Linha é Tua a 11/27/2015 09:33:00 da tarde